29 de janeiro de 2021

Perspectivas para a Educação em 2021


6a00e553e967d5883402788011623f200d


Entenda os desafios e as oportunidades na agenda nacional da Educação em 2021 assim como as contribuições  do Instituto Alcoa para as redes de ensino nas localidades onde atua 

Desde a chegada da pandemia de Covid-19, em março de 2020, cerca de 48 milhões de estudantes deixaram de frequentar as mais de 180 mil escolas de ensino básico espalhadas pelo Brasil, de acordo com o número de alunos inscritos na rede pública de ensino divulgado pelo Inep (2019). E, agora, com o prolongamento da pandemia e o início do ano letivo, o Instituto Alcoa (IA) começa o ano refletindo sobre os aprendizados e conquistas do ano e as perspectivas para o campo em 2021. 

 

O compromisso com a Educação  

O Instituto Alcoa escolheu o ensino fundamental como foco de seu trabalho no campo educacional. Nessa frente, desenvolve o programa Ecoa, reformulado em 2020 para atuar em dois novos eixos: Ecoa Gestão, em apoio às equipes técnicas  das secretarias municipais de Educação, e Ecoa Formação, capacitando equipes gestoras, educadores e demais profissionais da rede pública de ensino. 

A causa da Educação também aparece no Programa de Apoio a Projetos Locais, por meio do apoio financeiro para organizações da sociedade civil e unidades escolares que desenvolvem projetos relacionados com o tema. 

Monica Espadaro, gerente de Projetos do Instituto Alcoa e coordenadora do Programa Ecoa, explica que o diagnóstico para as adequações da iniciativa começaram no final de 2019, em parceria com as secretarias municipais de Educação de Juruti (PA), Poços de Caldas (MG) e São Luís (MA), regiões de atuação do Instituto. 

No momento, foram mapeadas questões como nível de proficiência, distorção idade-série, taxas de reprovação e evasão escolar, olhando especificamente para as necessidades de cada localidade. Mas com a chegada da pandemia, surgiram outras necessidades latentes para educadores e gestores.  

“Adaptamos as duas frentes do Ecoa para continuar de forma virtual e foi preciso todo um trabalho de qualificação para o uso de ferramentas digitais de muitos educadores para atuarem no novo contexto. Para além da formação e suporte na gestão das secretarias, o Ecoa também possibilitou a inclusão digital de muitos profissionais”, aponta Espadaro. 

 

Agenda Brasil

Confira alguns marcos no campo da Educação em 2020 e tendências para o ano que se inicia. 

 

Fundeb: aprovação e regulamentação do repasse de recursos 

O Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação) é um conjunto de fundos contábeis formado por recursos dos três níveis da administração pública do Brasil para promover o financiamento da educação básica. 

Aprovado em agosto de 2020 pelo Senado Federal, depois de também passar pela Câmara dos Deputados, os pontos que merecem destaque no Novo Fundeb são o aumento da participação da União de 10% para 23%, nos próximos seis anos, e novos critérios de distribuição dos recursos. De acordo com o Todos Pela Educação, o aumento do repasse destinará a municípios mais vulneráveis quase R$3 bilhões de reais em regiões deficientes de investimentos na Educação Básica, entre outras melhorias. 

 

A valorização da figura do educador  

Com as escolas fechadas e os estudantes dentro de casa, as famílias puderam acompanhar mais de perto o ensino de seus filhos e filhas e perceber o papel fundamental que o professor e a professora desempenham no processo de formação das crianças e jovens. Esse foi um dos apontamentos da pesquisa “Educação Não Presencial na Perspectiva dos Estudantes e suas Famílias”, realizada pelo Datafolha e encomendada pelo Itaú Social, Fundação Lemann e Imaginable Futures. 

O levantamento aponta que 71% dos responsáveis pelos estudantes estão valorizando mais o trabalho desenvolvido por professoras(es) e 94% consideram muito importante que eles estejam disponíveis para correção de atividades e esclarecimento de dúvidas durante as aulas não presenciais.

 

Educação híbrida: novas plataformas de ensino

Com o fechamento das escolas e a orientação de distanciamento social, o ensino híbrido em 2020 ganhou força em muitas redes de ensino. Utilizando a tecnologia como facilitadora e potencializadora desse processo, educadores puderam usar as plataformas para garantir o ensino remoto e a manutenção do vínculo escolar de milhares de estudantes.

 

Articulação, colaboração, cooperação e solidariedade  

Em 2020, foi possível observar uma ampliação das ações em rede para colaborar na redução dos impactos na Saúde e na Educação, assim como na mitigação do aumento nas desigualdades sociais que se aprofundaram nesse período. 

De acordo com o Monitor de Doações Covid-19, plataforma constituída pela Associação Brasileira de Captadores de Recursos (ABCR), até o início de dezembro cerca de 550 mil pessoas e instituições doaram R$ 6.481 bilhões, algo nunca visto anteriormente no país em tão curto espaço de tempo. 

Para Tatiana Bizzi, diretora-executiva do Instituto Alcoa, o Instituto articulou uma série de parceiros nas localidades onde atua para viabilizar a oferta de Educação, mesmo que de maneira remota. Uma articulação que trouxe uma série de aprendizados, que devem ser utilizados em 2021.  

“Com os desafios impostos pela pandemia tivemos que nos reinventar e agir de maneira cooperativa. Sabemos que a oferta educacional de qualidade é um desafio para toda a sociedade e não só dos gestores públicos. Esperamos amenizar os impactos que essa crise trouxe para a aprendizagem dos alunos e alunas."

 

Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 

A atuação do Instituto Alcoa está alinhada com as políticas globais da agenda educacional, conforme o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) número 4: “Assegurar a educação inclusiva e equitativa e de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todas e todos”.