23 de junho de 2020

Escuta, sonhos e criatividade são elementos essenciais para o engajamento em tempos de pandemia


Durante webinar promovido pelo Instituto Alcoa, especialistas compartilharam estratégias e caminhos para a mobilização de comunidades e territórios.

WhatsApp Image 2020-06-16 at 19.49.43

Refletir sobre oportunidades e estratégias de mobilização comunitária a partir de potencialidades locais em tempos de pandemia. Esse foi o fio condutor do webinar “Engajamento social para o enfrentamento da pandemia”.

Realizado no dia 3 de junho, o evento integra uma agenda estratégica do Instituto Alcoa para dar continuidade ao engajamento comunitário, um dos eixos orientadores de sua atuação, no atual contexto de distanciamento social.

A iniciativa reuniu cerca de 120 participantes e contou com a presença (virtual) de Rodrigo Rubido Alonso, diretor de relações institucionais e cofundador do Instituto Elos - que atua com estratégias de transformação social em favelas, escolas e bairros -, e Daniel Morais Assunção, um dos fundadores do Projeto Atados - plataforma que conecta organizações da sociedade civil (OSCs) a potenciais voluntários.

A abertura do encontro foi feita por Otavio Carvalheira, presidente da Alcoa Brasil e do Conselho do Instituto Alcoa. “O trabalho com as comunidades é parte do nosso DNA e frente a uma crise tão severa como a que estamos vivendo, esse aspecto ganha ainda mais relevância. Dentro das prioridades que traçamos já no início da pandemia, além de cuidar da segurança e da saúde dos nossos colaboradores e parceiros, também temos pensado em estratégias para manter saudável o trabalho com as comunidades. Este evento é parte desse movimento e certamente nos ajudará a refletir sobre nossa atuação no Brasil nos últimos 30 anos”, observou Otavio Carvalheira, presidente do Conselho de Administração do Instituto Alcoa.

Caminhos para o engajamento

Rodrigo compartilhou com o público do encontro algumas estratégias utilizadas nas iniciativas de mobilização e engajamento comunitário do Instituto Elos.

Para o especialista, o primeiro passo é o mapeamento das potencialidades do território. “Para se mobilizar, as pessoas precisam se perceber potentes”, afirmou.

A estratégia contribui para outro aspecto importante na hora de formular um plano ou ação de engajamento: a escuta. Para Rodrigo, assim como é fundamental conhecer os pontos fortes da comunidade, entender a realidade local é indispensável para obter resultados e impacto positivo em qualquer intervenção.

O terceiro passo é ter e compartilhar com todos os envolvidos uma visão de futuro. “Se desejamos uma comunidade engajada, precisamos de um sonho que nos una por muito tempo”, explicou.

Por fim, é necessário tangibilizar as ações. Para isso, é importante estruturar planos com objetivos de curto, médio e longo prazo.

“Qual é o passo que pode ser dado hoje? Como trazer essa visão grande de futuro para um lugar pragmático possível de começar já? Para o ativista, criar uma experiência bem sucedida no curto prazo é importante para manter a comunidade engajada em torno dos objetivos de médio e longo prazo.

“No Instituto Elos, costumamos realizar esse processo em sete dias. Construímos uma praça no final de semana, utilizando os recursos já existentes na comunidade. Essa pequena mobilização rende mais três meses de engajamento, no mínimo, porque muda a chave do ‘não vai dar em nada’”, observou.

Daniel, por sua vez, acrescentou a importância do cuidado com as equipes da organização ou grupo promotor da intervenção. “Para as pessoas conectadas com a causa e amparadas por um propósito comum é importante olhar também para o seu bem-estar. Aquela velha máxima de olhar primeiro para dentro para depois olhar para fora.”

Voluntariado à distância

Em tempos de pandemia e distanciamento social, Daniel contou como o Atados enxergou no modo virtual uma possibilidade de manter voluntários engajados e organizações e projetos sociais beneficiados e apoiados nesse momento de crise.

“Situações como essa, muitas vezes, nos paralisam. Nós tentamos transformar esse desafio em oportunidade. Percebemos que o voluntariado era sempre muito presencial. Nem organizações, nem movimentos estavam preparados para receber ações de voluntariado à distância. A necessidade de isolamento acabou criando a chance de essas entidades perceberem não só que é possível, mas também que há muito espaço para esse modo de intervenção”, explicou o ativista.

No site do Atados, é possível encontrar vagas de voluntariado à distância para os mais diversos perfis e áreas. Além disso, algumas iniciativas têm sido promovidas pelo Projeto frente ao contexto de distanciamento. A plataforma Vizinho Amigo - que conecta voluntários a pessoas que se encaixam nos grupos de risco da Covid-19 e não podem sair de casa, promovendo ações de colaboração voltadas a esses grupos - é um dos exemplos.

Outras ações citadas foram o suporte para pessoas que precisam acessar o programa emergencial de transferência de renda do governo federal, apoio e acolhida por meio de cartas a pacientes e profissionais da saúde que estão isolados e sem acesso à família e mentoria de jovens em situação de vulnerabilidade por outros jovens, estes de famílias de maior condição econômica.

Criatividade para vencer os desafios

Para enfrentar desafios como falta de acesso a internet e estrutura tecnológica, situação vivenciada por boa parte dos estudantes da rede pública de ensino e populações de áreas rurais e periféricas, ambos os especialistas trouxeram a importância da criatividade.

Nesse sentido, ações de comunicação por meio aplicativos mais acessados, como WhatsApp, ou do velho e bom cartaz na rua e outros materiais informativos impressos são um caminho possível.

Para Rodrigo, a urgência do momento tem despertado a solidariedade e precisa ser usada estrategicamente. “Temos aproveitado esse contexto para falar de sonho e de futuro. Essas múltiplas ações de doação de cestas básicas espalhadas pelo país são um indicativo da nossa vulnerabilidade e de como não podemos voltar ao normal de antes. Temos apoiado comunidades no Acre para o plantio de hortas de subsistência, por exemplo. Esse é o tipo de ação que conecta a urgência desse momento a uma visão de futuro: o que podemos fazer agora para construir um futuro diferente?”, refletiu o especialista.

Próximos eventos

Mais dois webinars serão promovidos nos próximos meses nos demais temas que compõem a estratégia de atuação do Instituto Alcoa: Educação e Geração de Trabalho e Renda. Datas e mais informações sobre os encontros serão divulgadas em breve.