26 de Novembro de 2010

Prêmio Alcoa de Inovação em Alumínio anuncia vencedores

Projetos consagrados na nona edição destacam-se pela utilidade pública e preocupação ambiental

A Comissão Organizadora do Prêmio Alcoa de Inovação em Alumínio 2010 acaba de divulgar os vencedores de sua nona edição. Os projetos selecionados, incluindo os que receberam menção honrosa, destacam-se pela preocupação socioambiental. Os 11 trabalhos selecionados apresentam ideias simples, criativas e são acessíveis a toda a sociedade. Desse total, seis contemplados pertencem à modalidade Estudante e à categoria Gestão da Reciclagem, enquanto cinco outros se classificam na modalidade Profissional, categoria Produtos & Aplicações.
 
Categoria Gestão da Reciclagem - Na modalidade Estudante o vencedor é Alexandre Rangel Schweickardt, aluno do curso de Química da UCB-Universidade Católica de Brasília, com o projeto Utilização do resíduo (lodo) industrial proveniente do processo de anodização do alumínio como matéria-prima na produção de tijolos. Trata-se de uma alternativa viável e de baixo custo para o destino do resíduo industrial, com o objetivo de diminuir o impacto ambiental e empregar o resíduo como material integrante na fabricação de tijolos maciços curados. “Como eu trabalhava numa anodizadora (empresa especializada em processos eletroquímicos de aplicação de revestimento protetor ou decorativo em superfícies metálicas), sabia do problema que era esse resíduo, pois não tínhamos onde dispor e os volumes só estavam se acumulando. Foi quando conversei com o dono da empresa que iria começar uma investigação sobre um destino ecologicamente viável para o resíduo. Na mesma ocasião ele me incentivou, proporcionando viagens e cursos com o objetivo de aumentar meus conhecimentos na área ambiental”, recorda Alexandre.
 
Já na modalidade Profissional, foi eleito o projeto Bloco alternativo reciclado, de autoria do tecnólogo em fabricação mecânica Paulo Fonseca Júnior. Com experiência nessa área, Paulo pretende reduzir oimpacto ambiental causado pelo descarte das caixas de leite longa-vida e pela extração de areia dos rios, bem como reduzir custos para o segmento de construção civil, buscando favorecer as classes de baixa renda. Satisfeito com o resultado, ele ainda planeja novas oportunidades: “Pretendo desenvolver uma patente de inovação e continuar com os testes para atingir todos os objetivos de redução de impacto ambiental e custos”.
 
Em segundo lugar na modalidade Estudante foi selecionado o projeto Nova Rota Para Reciclagem de Alumínio: Produção de Energia Limpa Base Para Fertilizantes, Aditivo Antichama e Cerâmica Avançada, de César Augusto Borges Caldart, 22 anos, aluno de Engenharia de Materiais na UNESC-Universidade do Extremo Sul Catarinense. O estudante pretende reaproveitar os resíduos das etapas do processamento e reduzir o impacto ambiental. “A adoção de uma nova rota de reciclagem vem ao encontro de um dos temas de maior debate, que é o desenvolvimento sustentável”, afirma.
 
O engenheiro metalúrgico Haysler Apolinário Amoroso Lima conquistou o segundo lugar na modalidade Profissional, com o trabalho Reciclagem de Latas de Alumínio Para Uso Como Desoxidantes em Siderurgia, que consiste num processo que propõe a prensagem das latas de alumínio descartadas em formato especial para acerto químico do aço durante as adições na panela. “Meu projeto vai trazer uma economia fantástica, pois elimina a etapa de fundição das latas em empresas de reciclagem. Será preciso apenas adicionar ao ciclo da reciclagem uma etapa de prensagem, proporcionando, assim, um formato adequado ao alumínio das latas para serem utilizadas”, resume ele.
 
Categoria Produtos & Aplicações – Forno Elétrico Solar, de autoria de Diego Fernando Waltrick, estudante do curso de Design da ULBRA–Universidade Luterana do Brasil, em Carazinho no Rio Grande do Sul, foi o trabalho vencedor na modalidade Estudante. O projeto consiste em unir conceito alternativo ao convencional por meio do design e propor um produto para uso doméstico. Segundo Diego, a grande vantagem é disponibilidade de energia gratuita e abundante, economia nas faturas e no consumo energético. “Fornos solares são usados em versões artesanais em diversos lugares do mundo e em regiões desérticas onde existe escassez de combustíveis sólidos. Acredito que muito em breve novos produtos e serviços devem atentar a essa situação”, afirma.
 
Na modalidade Profissional venceu o projeto Boxtérm – Caixa Térmica para Transporte de Órgãos, do designer Tássio Devison Tomaz de Lima Sousa. A ideia é desenvolver um produto único e inovador para o transporte de órgãos, a fim de substituir as caixas térmicas convencionais e padronizar as formas de remoção. O designer conta que a inspiração do projeto surgiu a partir de conversas com sua namorada – uma estudante de enfermagem – ao constatar que o manuseio e transporte de alguns equipamentos médico-hospitalares não eram feitos de maneira adequada. “Ao transportar algo tão importante quanto um órgão, devemos ter o máximo  cuidado e evitar futuras rejeições ao paciente transplantado”, explica Tássio, informando ainda que sua aplicação baseia-se na lei 9434/97, que dispõe sobre a remoção de órgãos e tecidos para transplantes.          
 
Luiz Rafael Viana dos Santos, aluno do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Gama Filho-RJ, conquistou o segundo lugar na modalidade Estudante com o projeto Flexbox – Quiosque Portátil de Uso Flexível. O autor pretende criar uma estrutura móvel e autônoma, capaz de substituir pequenos espaços comerciais instalados em centros de compras e locais públicos. “Essa caixa é leve, resistente e de fácil manutenção”, sintetiza.
 
O projeto Design de Utensílio para Colheita de Mudas de Plantas Ornamentais: Alumínio/ Ergonomia, de autoria do designer Danilo Corrêa Silva, ficou em segundo lugar na modalidade Profissional. O utensílio para colheita, feito de alumínio, é utilizado manualmente e considerado eficiente, confortável e seguro. “As melhorias foram comprovadas com a utilização de uma luva instrumentalizada, que mensurou a distribuição da pressão de contato durante testes em laboratório” – afirma Danilo.
 
“Ficamos honrados com os resultados desta edição. Os trabalhos excedem as expectativas pela criatividade e inovação. Muitas destas ideias poderão contribuir para o desenvolvimento sustentável e melhoria da qualidade de vida das pessoas”, afirma Franklin L. Feder, presidente da Alcoa América Latina e Caribe.
 
Menções honrosas
Os estudantes Ângelo Luiz Tenan e Iane Machado, do curso de Design de Produto da PUC-Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, receberam menção honrosa pelo projeto Triciclo de Carga. A proposta é agilizar a entrega de mercadorias em destinos curtos. O triciclo possui três gavetas com capacidade para transportar 13 quilos cada e pode ser utilizado para a entrega de compras de supermercados, farmácias, padarias e outros estabelecimentos. “Observamos que os triciclos de entrega no Brasil são os mesmos há muitos anos e nunca obtiveram melhorias que viessem facilitar o serviço de entrega”, aponta Ângelo.
Também na modalidade Estudante, Diogo Renan Schnorr, Daniela Gasparotto e Fernanda Dapper receberam menção honrosa pelo trabalho Avaliação do Comportamento Mecânico e Ambiental de Argamassas Álcali-Ativadas a Base de Cinza Volante com Adição de Limalha de Alumínio. A equipe de alunos do curso de Arquitetura e Urbanismo, da Universidade FEEVALE, desenvolveu um projeto que contempla o reaproveitamento de resíduos industriais e redução de impacto ambiental na produção de cimento. “Pretendo, junto com minha equipe e professor orientador, continuar com os testes e aprimorar a pesquisa, tornando o produto final confiável e passivo de ser empregado na construção civil”, afirma Diogo.
 
Na categoria Gestão da Reciclagem, modalidade Profissional, foi reconhecido o projeto Telhata – Latinhas de Alumínio Contribuindo Para a Redução do Aquecimento Global, trabalho dos tecnólogos em fabricação mecânica Leandro Barsottini e Paulo Henrique Mota Vilas Boas. A telha de alumínio oferece eficiência energética, menos  peso e menor emissão de gases de efeito estufa. “O grande diferencial do nosso projeto é a utilização das características de alta refletividade das latinhas de alumínio para contribuir com a redução do aquecimento global”, diz Leandro.
 
Comissão julgadora – A comissão julgadora na categoria Produtos & Aplicações foi formada por Auresnede Pires Stephan, da Fundação Armando Álvares Penteado, Faculdade Santa Marcelina e Escola Superior de Propaganda e Marketing; Claudio Parra De Lazzari, da ABM-Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração; Gilberto Belleza, da Belleza e Batalha Arquitetos; e Jean Yamamoto e Reginaldo Otsu, da Alcoa. Os jurados na categoria Gestão da Reciclagem foram José Roberto Giosa, da Latasa Reciclagem; Henio de Nicola, da ABAL-Associação Brasileira do Alumínio e Aleris; Saburo Ikeda, da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo; Wilker Pereira e Paulo Nakamichi, da Alcoa.
 
Premiações - O estudante ou equipe que, segundo a comissão julgadora, obteve o primeiro lugar em cada categoria receberá R$ 9 mil e um troféu como prêmio; o respectivo professor-orientador será premiado com R$ 5 mil, troféu e diploma. Para a instituição de ensino a que pertencer o premiado, serão doados R$ 5 mil em equipamentos didáticos. O segundo colocado em cada categoria receberá R$ 3 mil, um troféu e diploma. Os orientadores desses trabalhos ganharão um smart phone, diploma e troféu.
Já os profissionais classificados em primeiro lugar terão direito a prêmio no valor de R$11 mil, troféu e diploma em ambas as categorias. O segundo lugar em cada categoria receberá R$ 4 mil, troféu e diploma.
 
O Prêmio Alcoa de Inovação em Alumínio é um concurso científico e cultural que tem como objetivo incentivar e difundir as ideias dos estudantes e profissionais brasileiros no setor.
 
Neste ano foram inscritos 880 trabalhos, um aumento de 15% em relação ao ano passado, vindos de 17 estados brasileiros. Profissionais e estudantes participaram do concurso com o objetivo de mostrar as diferentes formas de uso do alumínio e contribuir com o desenvolvimento sustentável da cadeia produtiva do metal.
 
Apoio
Como em anos anteriores, o 9º Prêmio Alcoa de Inovação em Alumínio tem o apoio institucional das principais entidades do setor, como o IAB-Instituto de Arquitetos do Brasil-SP, Instituto de Engenharia, Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social, AEnD-BR-Associação de Ensino/Pesquisa de Nível Superior em Design no Brasil, ADP-Associação dos Designers de Produto, ABM-Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração e ABEDESIGN-Associação Brasileira das Empresas de Design. O Prêmio Alcoa conta também com o apoio técnico da  ABAL-Associação Brasileira do Alumínio. 
 
 
Sobre a Alcoa
 
Há 45 anos no Brasil, a Alcoa Alumínio S.A. é subsidiária da Alcoa Inc, líder mundial na produção de alumínio primário, alumínio transformado e alumina. Além de haver inventado a moderna industria do alumínio, há 120 anos, a Alcoa prima pela  inovação, contribuindo para o desenvolvimento dos mercados aeroespacial, automotivo, de embalagens, construção civil, transporte comercial, eletrônicos e industrial. Além de alumina e alumínio primários, a Alcoa fabrica produtos transformados, como laminados e extrudados, bem como rodas forjadas, sistemas de fixação, fundidos de superligas e de precisão, estruturas e sistemas para construções. Dispõe também de sofisticadas tecnologias em outros metais leves, como superligas de titânio e niquel. A Companhia possui 59 mil funcionários em 31 países e integra pela nona vez consecutiva o Índice Dow Jones de Sustentabilidade. A sustentabilidade é parte integrante da Alcoa e está presente em todas as práticas, serviços e produtos oferecidos aos clientes, até porque, por ser infinitamente reciclável, o alumínio é a própria sustentabilidade em forma de metal, pois cerca de 75% de todo o alumínio produzido desde 1888 ainda continua em uso hoje em dia. A Companhia foi eleita por cinco vezes consecutivas uma das empresas mais sustentáveis do mundo no Fórum Econômico Mundial de Davos, na Suíça e é uma das fundadoras da Parceria Americana pela Ação Climática (United States Climate Action Partnership - USCAP), uma associação composta por importantes companhias e ONGs ambientais norte-americanas que lutam pela redução significativa das emissões de gases causadores do efeito estufa.
 
Na América Latina e Caribe, a Alcoa conta com mais de sete mil funcionários e opera em seis estados brasileiros - Pernambuco, Minas Gerais, Maranhão, Pará, São Paulo e Santa Catarina - incluindo uma nova mina de bauxita, instalada em Juruti-PA. Possui operações também na Jamaica, Suriname e Trinidad & Tobago. Além das usinas de Barra Grande e Machadinho, no Sul do Brasil, a Alcoa participa nos consórcios das hidrelétricas em construção de Estreito, na divisa do Tocantins e Maranhão; e Serra do Facão, entre os estados de Goiás e Minas Gerais. Neste ano a Alcoa foi eleita Empresa Sustentável do Ano pelo Guia Exame de Sustentabilidade, além de ser incluída pela terceira vez consecutiva, pela revista Dinheiro, em suas listas das 50 Empresas do Bem e das 500 Melhores Empresas. Considerada pela nona vez uma das Melhores Empresas para se Trabalhar no Brasil, pelo Instituto Great Place to Work, foi também indicada como uma das Empresas mais Admiradas do Brasil, segundo pesquisa publicada pela revista Carta Capital.Mais informações sobre a Alcoa podem ser encontradas no site www.alcoa.com.br.