21 de Dezembro de 2009

Prêmio Alcoa: Projetos vencedores da 8ª edição destacam-se pela questão social e baixo custo de implantação

A Comissão Organizadora do Prêmio Alcoa de Inovação em Alumínio 2009 acaba de divulgar os vencedores de sua oitava edição. Os projetos selecionados, incluindo os que receberam menção honrosa, destacam-se pela preocupação socioambiental, além de apresentarem baixo custo de implantação. São ideias simples e criativas, acessíveis a toda a sociedade. Dos 312 trabalhos concorrentes, um aumento de 51% em relação ao ano passado, quatro foram contemplados nas modalidades Estudante e Profissional, sendo dois na categoria Gestão da Reciclagem e dois na categoria Produtos & Aplicações.

Categoria Gestão da Reciclagem - Na modalidade Estudante, o vencedor é Giuliano Bergamin, aluno do 3º ano do curso de Engenharia Química da PUC-PR-Pontifícia Universidade Católica do Paraná, com o projeto Dessalinizador Solar Térmico. Trata-se de um equipamento com o objetivo de evaporar pequenas quantidades de água salgada, por meio do calor gerado pela radiação solar incidente em colunas formadas por latas de alumínio, tornando-se uma alternativa para regiões praianas onde não há tratamento de água, a exemplo de algumas cidades do Nordeste. Além de ser um projeto de baixo custo, pode ser montado e manuseado pela própria comunidade, com orientação prévia. “Li atentamente o regulamento e propus um projeto que atende ao propósito do Prêmio, que é o de oferecer soluções e novas tecnologias que melhorem a sociedade e ajude os que precisam”, afirma Giuliano.

Já na modalidade Profissional, foi eleito o projeto Reciclagem Sustentável do Blister de Alumínio, de autoria do designer Marcelo Jacomo Borghi. Com experiência na área de reciclagem, Marcelo propôs transformar o resíduo de blister de alumínio (farmacêutico) em quatro novos produtos: calçados, mobiliário, placas construtivas e telhas. Satisfeito com o resultado, ele exalta a importância do Prêmio: “Sem estímulos como o Prêmio Alcoa, novas ideias e projetos como o meu não seriam possíveis”, reconhece Marcelo.

Em segundo lugar na modalidade Estudante foi selecionado o projeto Preparação de Zeólita A partir de resíduos de alumínio, de Eigor Renato Petry, do 3º ano do curso de Química Industrial da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões. Trata-se de um sólido adsorvente (que absorve fases e vapores na superfície de corpos sólidos), conhecido como Zeólita A, a partir de resíduos de alumínio. “Achei ótimo o segundo lugar. Eu verifiquei nas outras edições e nada havia sido abordado sobre o assunto”, afirma.

Um dos vencedores do Prêmio Alcoa no ano passado, com o projeto ExaltaLuz, o tecnólogo em fabricação mecânica Leandro Barsottini, conquistou o segundo lugar neste ano na modalidade Profissional, com o trabalho Captação e Reutilização de Água da Chuva, que consiste num sistema formado por calhas e tubos confeccionados com latas de alumínio. A água captada da chuva é utilizada para vasos sanitários, rega de plantas etc. “Meu projeto revela uma preocupação com o meio ambiente, com foco em sustentabilidade”, resume ele.

Categoria Produtos & Aplicações - Revestimento para Banheiro, de autoria de Rogério Martins, estudante do 4º ano de Desenho Industrial da UNIBAN-Universidade Bandeirante de São Paulo, foi o trabalho vencedor na modalidade Estudante. O projeto consiste em revestimento de alumínio em substituição às cerâmicas de banheiros e cozinhas. Segundo Rogério, a grande vantagem é a facilidade de manutenção hidráulica e elétrica, ocultando encanamentos e condutores elétricos. Rogério, que só neste ano inscreveu sua ideia em cinco concursos, ficou surpreso com o resultado. “Quem é da área sabe a importância do Prêmio, a dificuldade de concorrer e o tempo necessário para a elaboração do projeto”, afirma.

Na modalidade Profissional venceu o projeto Edifício União, dos arquitetos Marcos Leite Rosa e Kristine Stiphany. A ideia é aplicar à fachada do Edifício União, cortiço localizado no bairro do Bom Retiro, em São Paulo, uma nova estrutura, de alumínio, visando a melhorar a qualidade de vida dos moradores com mínimo impacto ambiental possível. Ao invés de demolir e reconstruir, o que traria impactos ambientais e custo maior, o projeto prevê a inserção de uma “segunda pele”, responsável pelo retrofit do prédio. Segundo Marcos, o objetivo do trabalho foi mostrar uma possibilidade de template para um local que recebe pouca atenção e onde as pessoas vivem em condições precárias. “Ficamos muito felizes com o resultado do Prêmio, pois sabemos da importância que ele tem no mercado, além da importância de se discutir novas políticas e debater a questão dos cortiços”, analisa Marcos.

Sílvia Resende Xavier, aluna do 3º ano do curso de Design da Universidade do Estado de Minas Gerais, conquistou o segundo lugar na modalidade Estudante com o projeto Nexus, sistema modular que possibilita criar objetos decorativos como painéis para fotos ou recados, biombos e fruteiras feitos de alumínio. Segundo ela, o projeto é bem voltado ao mercado. “Fiquei feliz com o resultado. O design é uma ferramenta importante para o desenvolvimento de novos produtos”, diz Sílvia. 

O projeto Ducha Iguaçu, de autoria do designer Henrique José Serbena, ficou em segundo lugar na modalidade Profissional. A ducha Iguaçu, feita de alumínio, é uma peça com formato sinuoso, inspirado nas curvas dos rios, e possui três tipos de jato. Além do projeto da ducha, Henrique inscreveu outro trabalho neste ano. “Trabalho desenvolvendo produtos e inscrevi a Ducha Iguaçu e um projeto de banco de alumínio. Fiquei feliz e ao mesmo tempo surpreso com o resultado”, afirma Henrique, que ainda elogiou a organização do Prêmio.

Menções honrosas
O estudante Edson da Silva Xavier, do curso de Pós-Graduação em Design de Jóias da Universidade do Estado de Minas Gerais, recebeu menção honrosa pelo projeto Stampa. O trabalho propõe a criação de joias de alto valor agregado e de qualidade, por comunidades recicladoras de alumínio. Segundo o autor, sua proposta é derreter e fundir o alumínio, criando peças que possam competir igualmente com produtos industrializados do setor joalheiro. “É uma satisfação ter recebido a menção honrosa por um projeto de design com foco social”, afirma Edson.

Também na modalidade Estudante, uma equipe de alunos da Universidade do Estado do Pará recebeu menção honrosa pelo trabalho Composteira Coloidal – Reciclando Alumínio e Resíduos. Érika Castilho Brasil, Francinaldo Oliveira Matos, Pedro Coelho de Rezende Neto (estudantes do 2º ano do curso de Engenharia Ambiental), Bento Gustavo de Sousa Pimentel e Hernan Gonçalves Sandres (do 1º ano de Design) desenvolveram um projeto de composteira, a ColoidAI, com estrutura predominantemente em alumínio proveniente de latas recicladas, que tem como objetivo transformar resíduos orgânicos domésticos em adubo. “O resultado e o reconhecimento do nosso trabalho com menção honrosa é motivo de felicidade para toda a equipe”, afirma Érika. 

Na categoria Produtos & Aplicações, modalidade Estudante, foi reconhecido o projeto Bebedouro Tulipa, trabalho acadêmico dos alunos da Universidade Federal do Paraná, Félix Vieira Varejão Neto, João Gabriel P. Falcão e Rafael Pastorin Garib. O novo bebedouro pode ser instalado em paredes, variando-se a altura ou utilizando-se um pedestal de altura padrão, adequados a áreas abertas. Além disso, oferece água fria e quente para o preparo de sopas, por exemplo. “Foi um trabalho exaustivo, que demandou dois meses de adaptações para o Prêmio, mas recompensador”, diz Félix.

O projeto TIJ-Vitro, do engenheiro civil Ademar Alves do Santos Filho, foi contemplado com menção honrosa na modalidade Profissional. Segundo Ademar, o TIJ-Vitro é um tijolo que pode ser configurado com alumínio e possibilita a fabricação de blocos nos mais diversos formatos: quadrado, círculo, triângulo, retângulo, losango etc. “Fico satisfeito por ter sido classificado e reconhecido pelo Prêmio Alcoa”, afirma Ademar, que já patenteou seu projeto.

Comissão julgadora – A comissão julgadora na categoria Produtos & Aplicações foi formada por Auresnede Pires Stephan, da Fundação Armando Álvares Penteado, Faculdade Santa Marcelina e Escola Superior de Propaganda e Marketing; Claudio Parra De Lazzari, da ABM-Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração; Gilberto Belleza, da Belleza e Batalha Arquitetos; e Jorge Gallo e Reginaldo Otsu, da Alcoa. Os jurados na categoria Gestão da Reciclagem foram José Roberto Giosa, da Latasa Reciclagem; Jozeti Barbutti Gatti, do CETEA-Centro de Tecnologia de Alimentos do ITAL; Saburo Ikeda, da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo; e Luiz Monegatto e Luiz Rosa, da Alcoa.

Premiações - O estudante ou a equipe indicada pela Comissão julgadora como autor do melhor trabalho em cada categoria recebem R$ 9 mil e um troféu como prêmio; o professor-orientador, R$ 5 mil, troféu e diploma. Para a instituição de ensino a que pertence o premiado serão doados R$ 5 mil em equipamentos didáticos. O segundo colocado em cada categoria recebe R$ 3 mil, um troféu e diploma. Os orientadores desses trabalhos ganham um palm top, diploma e troféu.

Já os profissionais classificados em primeiro lugar têm direito a um prêmio no valor de R$11 mil, troféu e diploma em ambas as categorias. O segundo lugar em cada categoria recebe R$ 4 mil, troféu e diploma.

Sobre a Alcoa
Há 44 anos no Brasil, a Alcoa Alumínio S.A. é subsidiária da Alcoa Inc., líder mundial na produção e transformação do alumínio, que atua nos mercados aeroespacial, automotivo, embalagens, construção, transportes comerciais e no mercado industrial. Além de alumina e alumínio primários, a Alcoa fabrica produtos transformados como laminados e extrudados, bem como rodas forjadas, sistemas de fixação, fundidos de superligas e de precisão, estruturas e sistemas para construções. A Companhia possui 97 mil funcionários em 35 países e integra pela sétima vez consecutiva o Índice Dow Jones de Sustentabilidade. A Alcoa foi eleita pela quinta vez consecutiva uma das empresas mais sustentáveis do mundo no Fórum Econômico Mundial de Davos, na Suíça e é uma das fundadoras da Parceria Americana pela Ação Climática (United States Climate Action Partnership - USCAP), uma associação composta por importantes companhias e ONGs ambientais norte-americanas que lutam pela redução significativa das emissões de gases causadores do efeito estufa.


Na América Latina e Caribe, a Alcoa conta com mais de sete mil funcionários e opera em seis estados brasileiros - Pernambuco, Minas Gerais, Maranhão, Pará, São Paulo e Santa Catarina - incluindo uma nova mina de bauxita, que está sendo instalada em Juruti-PA. Possui operações também na Jamaica, Suriname e Trinidad & Tobago. Além das usinas de Barra Grande e Machadinho, a Alcoa tem participação nos consórcios das hidrelétricas em construção de Estreito, na divisa do Tocantins e Maranhão; e Serra do Facão, entre os estados de Goiás e Minas Gerais. Em 2009 a Alcoa foi eleita uma das 20 empresas-modelo pelo Guia Exame de Sustentabilidade. Foi incluída pela nona vez entre as Melhores Empresas para se Trabalhar no Brasil, pelo Instituto Great Place to Work. Também foi uma das "empresas mais admiradas do Brasil", segundo pesquisa publicada pela revista Carta Capital; e destaque no ranking das 500 Melhores Empresas da revista Dinheiro. A mesma revista incluiu a Alcoa em sua lista das 50 Empresas do Bem. Foi reconhecida no Guia de Boa Cidadania Corporativa 2006, publicado pela revista Exame, nas áreas de Valores e Transparência e de Governo e Sociedade. Mais informações sobre a Alcoa podem ser encontradas no site www.alcoa.com.br.