17 de Dezembro de 2008

Vencedores do 7º Prêmio Alcoa de Inovação em Alumínio destacam conservação do planeta

Gestão de reciclagem diferenciada, exaustor composto por alumínio reciclável que também produz energia elétrica, ducha pública sustentável e barco portátil movido a pedal foram os projetos vencedores do 7º Prêmio Alcoa de Inovação em Alumínio. Das centenas de trabalhos inscritos neste ano, 12 foram selecionados para disputar a grande final. Os quatro vencedores foram anunciados ontem, 16, em cerimônia de premiação ocorrida em São Paulo. 

A idéia vencedora na categoria Gestão da Reciclagem (modalidade Estudante) foi o CentrAL – parceira, relacionamento e reciclagem, com autoria de Nathalia Talarico Romero, Flávia Chiaramonti Cravo, Murilo Henrique Couto Gomes e Natália Polyana Dariva, estudantes de Comunicação Social da UEL-Universidade Estadual de Londrina-PR. Nathalia e seus colegas uniram a experiência como finalistas no ano passado e vontade em desenvolver um projeto que trouxesse inovação no processo de gestão de cooperativas de reciclagem. Criaram o projeto CentrAL, com o objetivo de profissionalizar os trabalhadores na área, agregar valor ao produto final da cooperativa, além de promover o desenvolvimento sustentável. “Estamos felizes com essa conquista. Concorremos no ano passado e não tivemos a mesma sorte. Com essa vitória demos a volta por cima” afirma Murilo Henrique Couto Gomes. 

Quem conquistou o prêmio de melhor trabalho na categoria Gestão da Reciclagem (modalidade Profissional) foram os projetistas de Itajubá-MG, Alexandre Ribeiro Cardoso, Diovani Reinaldo Gomes Ribeiro, Leandro Barsottini e Paulo Fonseca Junior com o trabalho Exautaluz – latinhas de alumínio produzindo energia elétrica. A escolha do tema, segundo a equipe, foi influenciada pela oportunidade de criar uma solução multidisciplinar e ao mesmo tempo gerar um valor social. Dessa forma, foi possível desenvolver um projeto que incentiva a reciclagem e promover a conscientização ambiental. “Essa conquista não foi à toa. Planejamos muito esse trabalho, além da dedicação e entrega. Temos de agradecer às nossas famílias, que por muitas vezes não puderam estar ao nosso lado para podermos concluir esse trabalho” revela Paulo Fonseca Júnior. 

Na categoria Produtos & Aplicações (modalidade Estudante), o grande vencedor foi o trabalho Duch Eco – a favor do meio ambiente, de autoria de Evandro Gutierrez, André Boccato Payolla, Guilherme Caetano Silva e Reinaldo Martins dos Santos, do curso de engenharia mecânica da Escola de Engenharia de Piracicaba-SP. Incentivado pelo professor Fernando de Lima Camargo, Evandro reuniu a equipe. Após uma breve pesquisa sobre o histórico de projetos inscritos no concurso, ele percebeu que o grupo tinha todo o conteúdo necessário para se inscrever, afinal o Prêmio exige, entre outros pontos, inovação e criatividade, aspectos que o grupo tinha de sobra. “Temos a convicção de que esse reconhecimento proporcionará oportunidades no mercado de trabalho”, acrescenta Evandro Gutierrez. 

E o último vencedor da noite foi Mateus Frois Santa Catarina, engenheiro aeronáutico do Rio de Janeiro-RJ, na categoria Produtos & Aplicações (modalidade Profissional), com o trabalho Barco portátil movido a pedal. Mateus já havia desenvolvido esse projeto, mas ao participar do Prêmio Alcoa de Inovação em Alumínio precisou adaptar o trabalho para utilizar o alumínio de forma mais ampla. “Essa vitória é fruto de muito trabalho e pesquisa. Agora pretendo buscar parceiros para viabilizar esse projeto” conta Mateus.

“Ficamos honrados com os resultados desta sétima edição. Os trabalhos excedem as expectativas pela criatividade e inovação. Muitas destas idéias poderão contribuir para o desenvolvimento sustentável e melhoria da qualidade de vida das pessoas”, afirma Franklin Feder, presidente da Alcoa América Latina e Caribe.

Menções honrosas e finalistas
Todos os finalistas e indicados para receber menção honrosa estiveram presentes no evento. O trabalho finalista na categoria Gestão da Reciclagem (modalidade Estudante) foi o Produto desenvolvido por meio das sobras de alumínio da indústria automobilística: rack,, de autoria de Mário André Leal dos Santos, Andressa Carraro e Silvia Trein Heimfarth Dapper, do curso de Design do Centro Universitário Feevale, em Novo Hamburgo-RS.

Marcel Lara Tajiri, estudante de engenharia mecânica da UNITAU- Universidade de Taubaté-SP, recebeu menção honrosa nessa mesma categoria e modalidade pelo trabalho Uso de latinhas de alumínio em canteiro de hidroponia. O estudante, que foi incentivado a participar do Prêmio pelo professor-orientador Ederaldo Godoy Júnior, afirma que a idéia foi “criar um produto simples, que pudesse ser amplamente replicado e bastante usado no Brasil - as latas de alumínio”. 

Os profissionais finalistas na categoria Gestão da Reciclagem foram os engenheiros de Itajubá-MG Eduardo Miguel da Silva e Marcos André de Oliveira, com o projeto Sustentabilidade e a profissionalização da reciclagem do alumínio.

De Santa Cruz do Capibaribe-PE, a professora Fabiana Ferreira Silva e o designer Washington Ferreira Silva receberam menção honrosa na categoria Gestão da Reciclagem (modalidade Profissional) com o trabalho Recreando e recriando o alumínio na escola. Os irmãos resolveram participar do Prêmio para aliar a experiência do designer no Prêmio ao conhecimento em gestão da professora. 

Na categoria Produtos & Aplicações (modalidade Estudante), os finalistas foram Lauro Sérgio Franco Júnior, aluno do curso de design da UNESP-Universidade Estadual Paulista, em Bauru-SP, com o projeto Mesa de bilhar trama. Da mesma universidade os estudantes de design Maralise Lopes Silva, Fabiana Alves dos Santos, Juliano Peghini, Ligia de Freitas Françoso e Victor Leonardo de Souza Pereira, com o “Conjunto aluns: educação, conforto e sustentabilidade”. Não houve menção nessa modalidade.

Já os profissionais finalistas de Produtos & Aplicações foram: Thiago de Aguiar Pessanha Gripp, desenhista industrial do Rio de Janeiro-RJ, com a Beliche Ciranda e os colegas de profissão e conterrâneos Rodrigo Marques Ribeiro Guimarães e Ricardo de Moraes com o projeto Compatto – atendimento privilegiado.

O Prêmio
Alguns dos critérios utilizados para a escolha dos vencedores na categoria Produtos & Aplicações foram o grau de inovação da proposta; viabilidade de desenvolvimento como produto; e criatividade. Na categoria Gestão da Reciclagem a escolha dos campeões considerou a relevância do produto ou serviço; grau de inovação e originalidade; relação custo-benefício (baixo investimento x benefícios múltiplos); potencial de aplicação e de sustentabilidade (impacto no meio ambiente e grau de contribuição do trabalho para o problema ou situação apresentada); e apresentação.

Todos os estudantes com projetos finalistas nas duas categorias receberam R$ 1,5 mil. A mesma regra vale para os profissionais que participam do Prêmio. Já os orientadores dos alunos ganharam um palm top e diploma. 

O estudante ou equipe responsável pelo melhor trabalho em cada categoria recebeu como prêmio R$ 9 mil e um troféu, com mais R$ 5 mil para o respectivo professor-orientador. Para a instituição de ensino a que pertencer o premiado, foram doados R$ 5 mil em equipamentos didáticos. Já os profissionais tiveram direito a um prêmio no valor de R$ 11 mil em ambas as categorias.

“Todos os trabalhos que chegaram à grande final são, naturalmente, grande vencedores. Refletem o empenho, dedicação, criatividade e busca de soluções e alternativas sustentáveis, que possam contribuir para um futuro melhor”, enfatiza Feder.

Alunos de quase todos os Estados brasileiros, dos cursos de Design, Comunicação Social, Administração de Empresas, Arquitetura e Urbanismo, Engenharias, Economia, Fisioterapia, Moda, entre outros, de muitas instituições de ensino, se inscreveram neste ano para o Prêmio, com a idéia de produzirem trabalhos a partir das inúmeras possibilidades que o alumínio oferece, além de contribuírem para o desenvolvimento sustentável da cadeia produtiva do alumínio. Entre os profissionais, os que mais se inscreveram foram arquitetos, designers, administradores e engenheiros. 

O Prêmio Alcoa de Inovação em Alumínio é um concurso científico e cultural que tem como objetivo incentivar e difundir as idéias dos estudantes e profissionais brasileiros no setor. 

Neste ano foram inscritos 680 trabalhos, vindos de quase todos os estados brasileiros. Profissionais e estudantes participaram do concurso com o objetivo de mostrar as diferentes formas de uso do alumínio e contribuir com o desenvolvimento sustentável da cadeia produtiva do metal. 

Apoio
O Prêmio Alcoa de Inovação em Alumínio conta com o apoio institucional das principais entidades do setor, como o IAB-Instituto de Arquitetos do Brasil, Instituto de Engenharia, UniEthos-Educação para a Responsabilidade Social e o Desenvolvimento Sustentável, AEnD-BR-Associação de Ensino/Pesquisa de Nível Superior em Design no Brasil, ADP-Associação dos Designers de Produto, ABM-Associação Brasileira de Metalurgia e Materiais, ABEDESIGN-Associação Brasileira das Empresas de Design e o Centro São Paulo de Design. O Prêmio Alcoa conta também com o apoio técnico da ABAL-Associação Brasileira do Alumínio. 

Sobre a Alcoa 
Há 43 anos no Brasil, a Alcoa Alumínio S.A. é subsidiária da Alcoa Inc., líder mundial na produção e transformação do alumínio, que atua nos mercados aeroespacial, automotivo, embalagens, construção, transportes comerciais e no mercado industrial. Além de alumina e alumínio primários, a Alcoa fabrica produtos transformados como laminados e extrudados, bem como rodas forjadas, sistemas de fixação, fundidos de superligas e de precisão, estruturas e sistemas para construções. A Companhia possui 97 mil funcionários em 34 países e integra pela sétima vez consecutiva o Índice Dow Jones de Sustentabilidade. A Alcoa foi eleita pela quarta vez consecutiva uma das empresas mais sustentáveis do mundo no Fórum Econômico Mundial de Davos, na Suíça e é uma das fundadoras da Parceria Americana pela Ação Climática (United States Climate Action Partnership - USCAP), uma associação composta por importantes companhias e ONGs ambientais norte-americanas que lutam pela redução significativa das emissões de gases causadores do efeito estufa.

Na América Latina e Caribe, a Alcoa conta com mais de sete mil funcionários e opera em seis estados brasileiros – Pernambuco, Minas Gerais, Maranhão, Pará, São Paulo e Santa Catarina – incluindo uma nova mina de bauxita, que está sendo instalada em Juruti (PA). Possui operações também na Jamaica, Suriname e Trinidad & Tobago. Além das usinas de Barra Grande e Machadinho, a Alcoa tem participação nos consórcios das hidrelétricas em construção de Estreito, na divisa do Tocantins e Maranhão; e Serra do Facão, entre os estados de Goiás e Minas Gerais. A Alcoa está entre as “empresas mais admiradas do Brasil” em 2007, segundo pesquisa publicada pela revista Carta Capital e destaque no ranking das 500 Melhores Empresas da revista Dinheiro, em 2008. A mesma revista incluiu a Alcoa em sua lista das 50 Empresas do Bem. Também foi reconhecida no Guia de Boa Cidadania Corporativa 2006, publicado pela revista Exame, nas áreas de Valores e Transparência e de Governo e Sociedade. Mais informações sobre a Alcoa podem ser encontradas no site www.alcoa.com.br.