Mensagem do Presidente - Versão Completa


Mundialmente, 2012 será lembrado como o ano em que nos engajamos na discussão da economia verde, por ocasião da Rio+20. O setor de negócios ainda não havia protagonizado uma agenda de sustentabilidade como o fez nessa conferência da Organização das Nações Unidas (ONU). Na Alcoa, estamos alinhados com valores e princípios que buscam soluções efetivas para o desenvolvimento sustentável.

 

Trilhamos nosso caminho com mais segurança, eficiência e otimização em nossos processos, desde a mineração de bauxita, com mecanismos inovadores de reabilitação de áreas mineradas, até a autogeração de energia, por meio da participação acionária em usinas hidrelétricas.

 

Energia é um fator-chave de sustentabilidade para nós. Em 2012, com a inauguração da usina de Estreito, alcançamos 70% de autogeração de energia elétrica. Isso significou um grande salto para a Alcoa, uma vez que, para fazer frente aos desafios atuais do setor de energia, buscamos ser autônomos nesse insumo essencial para a produção do alumínio. Aguardamos, agora, o licenciamento de Pai Querê e de Santa Isabel, que nos ajudará a atingir 95% de autossuficiência.

 

Para ir além das questões que cercam o nosso negócio, temos acompanhado e participado de intensas discussões com o poder público sobre o mercado de energia, que enfrenta uma demanda crescente, aliada à limitações estruturais, econômicas e regulatórias que restringem a oferta e contribuem para o aumento gradativo do custo da energia.

 

A expectativa no Brasil, em 2012, era de uma evolução positiva em relação aos objetivos de reestruturação do setor, como a redução de custo aos consumidores e o aumento da competitividade dos setores produtivos, um cenário que ainda não se concretizou.

 

Além disso, em grande parte por causa da crise internacional, que comprometeu a capacidade de reinvestimentos, as empresas do setor de alumínio passaram a obter parcos resultados financeiros.

 

Os grandes países produtores, particularmente a China, que representa 40% da produção e do consumo, seguem aumentando a capacidade produtiva, enquanto outros países produtores mantém um grande estoque de alumínio nos mercados globais, o que resulta na queda dos preços do metal.

 

Mesmo diante dessas dificuldades, apresentamos, em 2012, um resultado melhor que em 2011, reduzindo o prejuízo financeiro de R$ 125 milhões para R$ 52 milhões. Isso só foi possível porque continuamos a honrar nossos Valores e compromissos com clientes, acionistas, comunidades e fornecedores e por causa do alcance de nossas metas ambientais, sociais, econômicas e de governança.

 

Para trilhar esse caminho, contamos com o comprometimento das Alcoanas e dos Alcoanos, cada vez mais engajados em ações de valorização da diversidade, de transparência nas relações e de garantia da saúde e segurança do trabalhador. Em 2012, por exemplo, 100% dos trabalhadores envolveram-se em pesquisa interna de engajamento e opinião, que avalia o nível de engajamento e satisfação dos funcionários no ambiente de trabalho.

 

No Brasil, esse índice foi de 75%, superior aos 71% obtidos em 2011. Também destaco o diálogo entre a empresa, seus funcionários e seus representantes sindicais como uma força de sustentação da companhia.

 

Na relação com a comunidade, continuamos a investir em projetos sociais, por meio do Instituto Alcoa e da Alcoa Foundation. No último ano, destinamos R$ 5,1 milhões a 46 projetos comunitários e a programas de voluntariado. Em Juruti, inauguramos o Hospital 9 de Abril, que já iniciou suas atividades e oferece atendimento médico de alta qualidade para a população. Esse é o cumprimento de mais um compromisso que assumimos com a comunidade.

 

Nossos parceiros também são convocados a seguir conosco nessa jornada. Aprimoramos o Programa Compras Sustentáveis, que considera critérios socioambientais na avaliação, qualificação e contratação de parceiros comerciais. Também passamos a investir com mais intensidade em oportunidades para nossos clientes, com o desenvolvimento de produtos que ofereçam soluções inovadoras e sustentáveis.

 

Para avaliar e buscar melhorias no atendimento aos nossos clientes, mensuramos os índices de satisfação por meio de pesquisa de satisfação dos clientes (Net Promoter Score). Como resultado das ações de melhoria, os índices subiram de 62,69%, em 2011, para 66,19%, em 2012. E, diante dessas novas oportunidades de negócios, em 2012 trouxemos para o Brasil produtos voltados para o segmento de Petróleo e Gás, além de Sistemas de Fixação Industrial e de Sistemas de Construção e Edificação (Kawneer).

 

Evoluímos na inovação de nossos produtos e processos. Somente em 2012, destinamos, na América Latina e no Caribe, mais de 58 mil toneladas de resíduos à aplicação em outras cadeias de valor, gerando receita de R$ 9,8 milhões e minimizando impactos ao meio ambiente, à saúde e à segurança. E, por meio do Programa de Eficiência Energética, identificamos mais 40 oportunidades de redução de consumo de energia.

 

Na Alumar, por exemplo, em parceria com a Liquigás, convertemos os fornos de cozimento de anodo de óleo diesel para flex gás, um investimento de R$ 30 milhões que reduzirá a emissão em cerca de 12 mil toneladas de dióxido de carbono (CO2).

 

Todas essas iniciativas nos ajudaram a avançar e até mesmo cumprir antecipadamente as metas de sustentabilidade estabelecidas para 2020. Reduzimos em 24% a intensidade de emissões de CO2 nas unidades de Produtos Primários, ante a meta de 30% estabelecida para 2020. Com relação à água, reduzimos em 18% a intensidade de consumo nas unidades de Produtos Primários, diante da meta de 25% estabelecida para 2020. Passamos a reciclar ou reutilizar 77% dos resíduos que eram destinados para aterros, superando a meta de reciclar 75% até 2020. Acima de tudo, seguimos mais um ano sem registrar fatalidades em nossas operações, graças às nossas práticas de saúde e segurança no ambiente de trabalho, como o Programa de Prevenção de Fatalidades e de Desempenho Humano.

 

Nossos esforços são reconhecidos pela Alcoa mundialmente, que nos tem como referência em eficiência energética, energia limpa, gestão ambiental e responsabilidade corporativa. Fomos premiados pelo Guia EXAME de Sustentabilidade como uma das empresas-modelo, com destaque para a substituição do óleo combustível por gás natural na unidade de Poços de Caldas (MG), iniciativa que, além de reduzir as emissões da planta, gerou retorno financeiro para a empresa. E, pela transparência na comunicação e quantificação do nosso inventário de emissões, recebemos a certificação ouro do Programa Brasileiro GHG Protocol, referente ao inventário de emissões de 2011. Além disso, com as nossas práticas voltadas à inclusão de mulheres em cargos operacionais e de liderança, recebemos o prêmio Melhor Empresa para a Mulher Trabalhar, do Great Place to Work Institute.

 

Mas não paramos por aí. Nosso objetivo é aperfeiçoar cada vez mais nossas práticas de sustentabilidade, como forma de gerar benefícios de longo prazo a acionistas, funcionários, clientes, fornecedores e comunidades onde atuamos. Nesse sentido, em 2013, lançamos, pela primeira vez, o Relatório Anual da Alcoa, convergindo as demonstrações financeiras com o desempenho em sustentabilidade, e nos preparamos para adotar a norma internacional ISO 26000, de responsabilidade social corporativa.

 

O cenário da indústria do alumínio continua desafiador. Em particular, no Brasil, há desafios adicionais, mas continuamos trilhando o caminho do crescimento sustentável. Em 2013, celebramos os 125 anos da Alcoa no mundo, fortalecendo ainda mais nossas relações e crescendo de forma sustentável. Seguimos avançando.

 

Boa leitura!


Franklin L. Feder – Presidente da Alcoa América Latina e Caribe